“Nossa, como você é inteligente!”

“Uau, você é muito esperto!”

“Você é incrível, parece que já nasceu sabendo!”

Nosso senso comum diz que crianças que frequentemente ouvem elogios como esses crescerão com a auto-estima fortalecida, certo? Bom, talvez estejamos enganados.

A Dra. Carol Dweck, professora de psicologia da Stanford University, descobriu que o tipo “errado” de elogio pode causar justamente o efeito oposto.

A experiência

Dra. Dweck realizou uma série de quatro testes com 400 alunos da 5a série de uma escola de New York. O primeiro teste era um quebra-cabeças extremamente simples para crianças dessa idade. Como era esperado, todas as crianças conseguiam realizá-lo facilmente. Nenhuma surpresa até aqui…

Mas é aí que começa a parte interessante da pesquisa. Cada vez que uma criança completava o teste, a pesquisadora lhe informava a sua nota e fazia um curto elogio. Metade das crianças eram elogiadas pela sua inteligência: “Uau, você deve ser muito esperto!”. Já a outra metade era elogiada pelo seu esforço: “Uau, você deve ter se esforçado muito!”

Criança com pesquisadora

Logo na segunda tarefa, as diferentes consequências desses dois tipos de elogios começavam a aparecer. Agora, a pesquisadora perguntava se a criança desejava um teste do mesmo nível do primeiro ou se preferia algo um pouco mais difícil e desafiador. Adivinhou? As crianças “inteligentes”, evitando colocar sua imagem em risco, preferiam o teste mais simples, enquanto as crianças “esforçadas” pediam o teste mais difícil.

Na terceira etapa, a coisa se complicava. Todas as crianças receberam outro quebra-cabeças, dessa vez bastante complexo, projetado para crianças dois anos mais velhas. Inevitavelmente, todas falhavam. Entretanto, a atitude frente ao fracasso também foi significativamente diferente entre os dois grupos. Os “esforçados” persistiram por muito mais tempo, assumiram a responsabilidade pela falha e muitos (mesmo sem a pesquisadora perguntar) afirmaram que esse foi seu teste favorito. Já os “inteligentes” desistiam mais rapidamente. Além disso, assumiam a falha como uma prova de que na verdade não eram inteligentes como haviam sido levados a crer. Ou seja, o primeiro fracasso foi suficiente para fazer sua auto-estima despencar. “Bastava observá-los para ver a tensão.” descreveu a Dra. Dweck, “Eles estavam suando e se sentindo miseráveis”.

Por fim, os alunos foram submetidos ao quarto quebra-cabeças, que era tão fácil quanto o primeiro. O resultado? Os “esforçados” melhoraram sua performance em 30%, enquanto os “inteligentes” foram apenas 20% melhores do que na primeira vez.

Menino com pesquisadora

Mindsets

Segundo a pesquisadora, quando a criança cresce constantemente ouvindo de seus pais ou professores elogios a características inatas, desenvolve o que Dweck chama de Fixed Mindset (Mentalidade Fixa). Ou seja, ela passa a acreditar que a inteligência é uma característica “estática”, um “dom” com o qual alguns nascem, outros não.

Já as crianças que são elogiadas por seus “esforços”, com frases do tipo “Parabéns, você trabalhou duro nisso e teve um ótimo resultado!”, desenvolvem o Growth Mindset (Mentalidade Crescente) e percebem que a inteligência pode ser “desenvolvida”.

Ao encarar seus primeiros fracassos (e quem não os encara?), quem tem Fixed Mindset tende a desistir facilmente, evitar desafios que arrisquem sua auto-imagem, ignorar críticas úteis e sentir-se ameaçado pelo sucesso dos outros. Todas essas, atitudes que costumam travar o progresso de quem as adota.

Por outro lado, as crianças que desenvolvem o Growth Mindset tendem a abraçar desafios, persistir e aprender com as críticas e sucesso dos outros. Coisas que, evidentemente, levam a uma vida mais bem sucedida.

Vídeo

Assista a Dra. Dweck explicando sua experiência sobre os Mindsets (em inglês)

Share Button

Renato Carvalho

Designer, Mestre em Design de Tecnologias Educacionais pela Universidade de Toronto. Trabalha por uma Educação focada no estímulo à criatividade, colaboração, autonomia, iniciativa e pensamento crítico.

One thought on “O poder (às vezes prejudicial) dos elogios.

Deixe uma resposta